O CUIDADO HUMANIZADO AO PACIENTE COM CÂNCER


Warning: array_intersect(): Expected parameter 2 to be an array, null given in /home/customer/www/sbno.com.br/public_html/wp-content/themes/sbno/classes/SBNO.php on line 1971

Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/customer/www/sbno.com.br/public_html/wp-content/themes/sbno/classes/SBNO.php on line 1973

 

Ana Paula Vieira Sandoval

Especialista em Nutrição Oncológica pela SBNO / São Paulo – SP

 

O CUIDADO HUMANIZADO AO PACIENTE COM CÂNCER

 

De acordo com o dicionário AURÉLIO a palavra HUMANIZAR, significa atribuir caráter humano, conceder ou possuir condição humana.

Conforme o Ministério da Saúde, foi implantado o Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar (PNHAH), após a Política Nacional de Humanização (PNH), com o objetivo de atender pacientes e profissionais da área da saúde, superando o simples atendimento e acesso a medicação, garantindo integridade desse atendimento e o respeito aos direitos dos pacientes1. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a “saúde é um estado de completo bem estar físico, mental e social e não apenas a mera ausência de doenças ou enfermidades”2.

Desta forma, para promover a humanização em serviços de saúde, faz-se necessário falar das esferas envolvidas: o hospital, a equipe de profissionais e o paciente, que devem estar em harmonia3.

Segundo os dados do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) para o Brasil, a estimativa para cada ano do triênio 2020-2022 aponta que ocorrerão 625 mil casos novos de câncer4. O impacto do diagnóstico não é uma tarefa tão simples, causa uma série de emoções e sentimentos, uma vez que a doença tem um estigma muito grande5.

Assim sendo, é de extrema importância o cuidado humanizado pela equipe multiprofissional que atende o paciente com câncer, independente da etapa que se encontra no tratamento, como por exemplo: neoadjuvante, adjuvante, curativo ou em cuidados paliativos, pois qualquer pessoa pode perceber a maneira humanizada ou não com que está sendo cuidada3,6.

O cuidado humanizado expande a ideia de qualidade. A qualidade se refere não só ao que é material, mas também humano, por isso o cuidador deve apresentar habilidades como dinamismo, sensibilidade, solidariedade, segurança, carisma, ética e competência profissional. Através destas competências, é possível minimizar o sofrimento do paciente com câncer, pois estaremos compreendendo enquanto seres biopsicossociais, respeitando sua individualidade, crenças e os seus direitos3.

Além destas habilidades mencionadas, a comunicação entre paciente, cuidador e profissional da área da saúde é de suma relevância, à medida que o diálogo avança o vínculo aparece e deste nasce a confiança tão necessária nesta relação de ajuda. Por isso são necessárias mudanças na educação dos profissionais da área da saúde e nos sistemas de saúde, fornecendo treinamento de habilidade de comunicação, com apoio significativo para sua participação, assim teremos profissionais treinados para orientar os pacientes e para que suas vozes sejam ouvidas8,11.

Aprimorar o conhecimento sobre o tema humanização nas graduações e nas instituições, que prestam serviços de assistência à saúde, melhorara a qualidade dos atendimentos prestados aos pacientes, pois para cuidar de pessoas requer uma relação de mão dupla em saber o que torna a pessoa cuidada única e saber quais são as suas reais necessidades9,10.

Emmanuel Levinas afirma que “cuidar do outro é um imperativo moral, e quando o cuidado é profissionalizado, adquire uma dimensão normativa, com compromisso com o paciente, passando a fazer parte do núcleo interno da profissão de saúde, e entre o qual não só a compaixão ou preocupação em fazer bem, mas antes na ação, um olhar atento e a aplicação do conhecimento científico. É isso que define a profissionalização.”9.

Dentro dos cuidados, o cuidado nutricional é imprescindível, pois através da intervenção nutricional precoce é possível auxiliar na manutenção ou recuperação do estado nutricional do paciente, uma vez que a alimentação está correlacionada às emoções e aos sentimentos. Estes pacientes podem sofrer influências de uma série de fatores como uso de medicamentos, presença de dor, sintomas desconfortáveis, como náuseas, vômitos, disgeusia, anorexia, xerostomia e tantos outros devido a terapia proposta, como por exemplo quimioterapia, radioterapia, cirurgia e outros tratamentos3,7.

As necessidades nutricionais podem variar dependendo do tipo de tumor, localização e do estado nutricional do paciente, por isso a necessidade de compreender, executar e investir esforços no intuito de potencializar condutas profissionais que priorizem o cuidado humanizado e individualizado dentro de uma equipe multiprofissional. Intervenções precoces, como a assistência nutricional, podem auxiliar a minimizar os impactos emocionais, demonstrando esperança e cuidado com este paciente3,7,11.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. Política de Humanização da Assistência à Saúde [homepage na internet]. [acesso em 12 de dezembro 2020]. Disponível em: http://www.humanizasaude.rs.gov.br/site/artigos/cartilha/cartilha_01.htm
  2. Organização Mundial da Saúde. Câncer [homepage na internet] [acesso em 12 de dezembro 2020]. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html
  3. VIANI, Karina et al. Nutrição e Câncer InfantoJuvenil. Manole – 1ªedição, São Paulo,2017.
  4. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Coordenação de Ensino;2019.
  5. PINHO, Alice. Nutrição e Câncer: Da prevenção ao tratamento (bases científicas e práticas clínicas). PoloBooks – 1ªedição, São Paulo, 2018.
  6. MIOLA, Thais Manfrinato; PIRES, Fernanda R.O. Nutrição em Oncologia. Manole – 1ª edição, São Paulo,2020.
  7. SILVA, Ana Carolina Leão et at. Manual Prático de Assistência Nutricional ao Paciente Oncológico Adulto e Pediátrico. Atheneu- 1ª edição, Rio de Janeiro, 2020.
  8. Epstein M. R et al. Effect of a Patient-Centered Communication Intervention on Oncologist-Patient Communication, Quality of Life, and Health Care Utilization in Advanced Cancer: The VOICE Randomized Clinical Trial. Jamaoncol.2016.
  9. Gómez B.I, Hoxsas Q.C.L. Proyecto “Humanizando los Cuidados Intensivos”, nuevo paradigma de orientación de los Cuidados Intensivos / Project “Humanizing Intensive Care”, nem paradigma of guidance in Intensive Care Unit / El projecte “Humanitzant la vigilância intensiva”, um nou paradigma d´orienttació de la vigilância intensiva. Rev. Bioét. Derecho.2020.
  10. Barboza C.B et al. Percepção da equipe multidisciplinar acerca da assistência humanizada no centro cirúrgico / Perception of the multidisciplinar team concerning humanized assistance at the surgical center/ Percepción del equipo multidisciplinar sobre la assistência humanizada em el centro quirúrfico. Rev.SOBECC, 2020.
  11. Theobald R.M et al. Percepções do paciente oncológico sobre o cuidado / Perception of the câncer patient about care.
Faça seu Login

O Site da SBNO mudou. Gere uma nova senha.

Caso seja seu primeiro login no novo site, por favor gere uma nova senha usando seu e-mail de cadastro para poder entrar.

GERAR NOVA SENHA