EVIDÊNCIAS SOBRE A UTILIZAÇÃO DO HMB NA ONCOLOGIA


Warning: array_intersect(): Expected parameter 2 to be an array, null given in /home/customer/www/sbno.com.br/public_html/wp-content/themes/sbno/classes/SBNO.php on line 1971

Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/customer/www/sbno.com.br/public_html/wp-content/themes/sbno/classes/SBNO.php on line 1973

 

Raquel Goreti Eckert Dreher

Especialista em Nutrição Oncológica pela SBNO / Cascavel – PR

 

EVIDÊNCIAS SOBRE A UTILIZAÇÃO DO HMB NA ONCOLOGIA

 

A partir do diagnóstico, o paciente com câncer é submetido a diversos protocolos de tratamento, que incluem, dentre outros, a quimioterapia, radioterapia e cirurgia. Estes, por sua vez, estão relacionados a efeitos adversos que favorecem a depleção do estado nutricional do paciente oncológico, contribuindo para o desenvolvimento da caquexia. Além disso, o próprio tumor está relacionado a maior mobilização de reservas musculares e lipídicas, além de alterações importantes no metabolismo energético, agravando ainda mais a caquexia associada ao câncer, também denominada caquexia tumoral1,2.

A caquexia está relacionada às diversas complicações para o indivíduo com câncer, incluindo pior prognóstico, menor tolerância ao tratamento e maior mortalidade. Sendo assim, é eminente a busca por novas alternativas terapêuticas, que possam atenuar a ocorrência da caquexia, tendo em vista que a continuidade do tratamento oncológico depende da condição clínica do paciente e da manutenção do seu estado nutricional2. Neste sentido, o β-hidroxi-β-metilbutirato (HMB) foi alvo de diversas investigações, tendo sido relatado que o mesmo é capaz de promover o ganho de massa muscular em atletas, bem como de exercer efeito anticatabólico em idosos acamados. Nos últimos anos, seu efeito anti-inflamatório também vem sendo discutido3,4.

O β-hidroxi-β-metilbutirato (HMB), também chamado de ácido β-hidroxi-isovalérico, ou ainda ácido 3-hidroxi-3-metilbutírico (nomenclatura IUPAC), é um metabólito da leucina (LEU), produzido in vivo no citosol pela via do ácido α-cetoisocaproico (CIC)5. Este resíduo de aminoácido tem sido amplamente utilizado para promover o ganho de massa muscular e força, especialmente em atletas, com ingestão que varia de 1,5 a 3 gramas/dia6.

Diversas hipóteses foram propostas para elucidar o mecanismo de ação do HMB para síntese e preservação da massa muscular, destacando-se o aumento da síntese proteica relacionada à elevação do fator de crescimento semelhante a insulina tipo 1 (IGF-1) e sinalização da via alvo da rapamicina (mTOR), bem como a redução da proteólise muscular por inibição do sistema ubiquitina proteassoma e das caspases7.

Em cultura de células8 e ensaios com animais9, foi demonstrado que o HMB aumentou a expressão do IGF-1 e do hormônio do crescimento (GH), postulando que este pode influenciar a relação entre os mioblastos e marcadores de diferenciação celular. Em um estudo desenvolvido por Eley e colaboradores10, também foi observado que o HMB inibiu a apoptose e a degradação proteica induzida por fator de necrose tumoral alfa (TNFα), interferon e angiotensina II, em cultura de células de mioblastos (C2C12), ao inibir a atividade das caspases 8 e 3, bem como ao atenuar a formação de espécies reativas de oxigênio (EROs).

Até o presente momento, existem alguns estudos pré-clínicos na literatura que avaliam os efeitos do HMB na redução/atenuação da caquexia. Na investigação realizada por Smith e colaboradores11, o HMB atenuou a degradação proteica e promoveu aumento da síntese de proteínas em camundongos com o tumor MAC16 suplementados com doses de 0,25 a 2,5 g/Kg. Ainda, em cultura celular de miotubos e modelo animal de caquexia oncológica, verificou-se que o HMB atenuou a depleção muscular induzida pelo fator indutor de proteólise (PIF)11,12.

Em relação aos estudos clínicos, até o presente momento, não foram identificados trabalhos que avaliaram o efeito do HMB de forma isolada no músculo de pacientes com diagnóstico oncológico13, apenas estudos em que o HMB foi associado a alguns aminoácidos14-16.

Nesse sentido, um estudo realizado por May e colaboradores15 demonstrou que em pacientes com câncer avançado, a administração de um suplemento contendo HMB (3g/dia), arginina (14g/dia) e glutamina (14g/dia) foi efetivo para induzir um ganho significativo de massa muscular em relação ao grupo controle. Em contrapartida, em um grupo de pacientes oncológicos com perda de peso desde o início do tratamento, Berk e colaboradores14 encontraram apenas uma tendência de aumento de massa magra no grupo que recebeu um suplemento nutricional contendo HMB, arginina e glutamina. Ainda, em outra investigação16 incluindo pacientes com tumores abdominais, a suplementação de HMB (1,2g/dia), arginina (7g/dia) e glutamina (7g/dia) durante três dias antes e sete dias após uma intervenção cirúrgica, não promoveu diferença na massa muscular entre os grupos avaliados (intervenção versus placebo).

Com o intuito de avaliar o efeito do HMB isolado na atenuação da caquexia tumoral, durante o doutorado desenvolvemos um estudo com camundongos Balb-c implantados com Tumor Ascítico de Erlich (TAE) e tratados com Doxorrubicina e HMB. Os dados originais estão em fase de publicação em um periódico internacional.

Em suma, os resultados obtidos demonstraram que o tratamento com Doxo exerceu atividade antitumoral, porém não foi capaz de impedir o desenvolvimento da caquexia induzida pela implantação das células do Tumor Ascítico de Ehrlich (TAE). Já a associação Doxorrubicina e HMB (Doxo+HMB) exerceu efeito antitumoral ao induzir a ocorrência da via intrínseca da apoptose em um mecanismo que envolveu o aumento da expressão de p53 e a redução da expressão de COX-2, reduzindo a inflamação sistêmica causada pela Doxo administrada isoladamente. Além disso, a associação Doxo+HMB reduziu os níveis de interleucina 1 beta (IL-1β) no gastrocnêmio, retardando o processo inflamatório muscular, diminuindo o catabolismo proteico e acarretando a preservação da massa muscular. Por fim, a indução de apoptose nas células do TAE associada ou não à redução do catabolismo proteico, teve como consequência a redução da inflamação sistêmica, a qual promoveu uma diminuição do catabolismo lipídico e a preservação da massa adiposa.

Em conclusão, em camundongos os dados obtidos mostram que a associação Doxo+HMB, além de sustentar o efeito antineoplásico da doxorrubicina, foi capaz de atenuar a caquexia induzida pela implantação tumoral, sendo necessário novos estudos em humanos para prescrição com esse objetivo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

    1. ALMEIDA, V. L. de; LEITÃO, A.; REINA, L. DEL C. B.; MONTANARI, C. A.; DONNICI, C.L.; LOPES, M.T.P. Câncer e agentes antineoplásicos ciclo-celular específicos e ciclo-celular não específicos que interagem com o DNA: uma introdução. Química Nova, v.28, n.1, p. 118-129, 2005.
    2. FEARON, Kenneth; STRASSER, Florian; ANKER, Stefan D; BOSAEUS, Ingvar; BRUERA, Eduardo; FAINSINGER, Robin L; JATOI, Aminah; LOPRINZI, Charles; MACDONALD, Neil; MANTOVANI, Giovanni. Definition and classification of cancer cachexia: an international consensus. The Lancet Oncology, [s.l.], v. 12, n. 5, p. 489-495, maio 2011. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/s1470-2045(10)70218-7.
    3. YAVAS, Cagdas; YAVAS, Guler; ACAR, Hilal; TOY, Hatice; YUCE, Deniz; AKYUREK, Serap; ATA, Ozlem. Amelioration of radiation-induced acute inflammation and mucosal atrophy by beta-hydroxy-beta-methylbutyrate, l-glutamıne, and l-argınıne: results of an experimental study. Supportive Care In Cancer, [s.l.], v. 21, n. 3, p. 883-888, 21 set. 2012. Springer Science and Business Media LLC.
    4. YOKOTA, Tomoya; HAMAUCHI, Satoshi; YOSHIDA, Yukio; YURIKUSA, Takashi; SUZUKI, Miho; YAMASHITA, Aiko; OGAWA, Hirofumi; ONOE, Tsuyoshi; MORI, Keita; ONITSUKA, Tetsuro. A phase II study of HMB/Arg/Gln against oral mucositis induced by chemoradiotherapy for patients with head and neck cancer. Supportive Care In Cancer, [s.l.], v. 26, n. 9, p. 3241-3248, 7 abr. 2018. Springer Science and Business Media LLC.
    5. VAN KOEVERING, M.; NISSEN, S.. Oxidation of leucine and alpha-ketoisocaproate to beta-hydroxy-beta-methylbutyrate in vivo. American Journal Of Physiology-endocrinology And Metabolism, [s.l.], v. 262, n. 1, p. 27-31, 1 jan. 1992. American Physiological Society.
    6. NISSEN, S.; SHARP, R.; RAY, M.; RATHMACHER, J. A.; RICE, D.; FULLER, J. C.; CONNELLY, A. S.; ABUMRAD, N.. Effect of leucine metabolite β-hydroxy-β-methylbutyrate on muscle metabolism during resistance-exercise training. Journal Of Applied Physiology, [s.l.], v. 81, n. 5, p. 2095-2104, 1 nov. 1996. American Physiological Society.
    7. FITSCHEN, Peter J.; WILSON, Gabriel J.; WILSON, Jacob M.; WILUND, Kenneth R.. Efficacy of β-hydroxy-β-methylbutyrate supplementation in elderly and clinical populations. Nutrition, [s.l.], v. 29, n. 1, p. 29-36, jan. 2013. Elsevier BV.
    8. KORNASIO, Reut; RIEDERER, Ingo; BUTLER-BROWNE, Gillian; MOULY, Vincent; UNI, Zehava; HALEVY, Orna. β-hydroxy-β-methylbutyrate (HMB) stimulates myogenic cell proliferation, differentiation and survival via the MAPK/ERK and PI3K/Akt pathways. Biochimica Et Biophysica Acta (bba) – Molecular Cell Research, [s.l.], v. 1793, n. 5, p. 755-763, maio 2009. Elsevier BV.
    9. YONAMINE, C. Y.; TEIXEIRA, S. S.; CAMPELLO, R. S.; GERLINGER-ROMERO, F.; RODRIGUES, C. F.; GUIMARÃES-FERREIRA, L.; MACHADO, U. F.; NUNES, M. T.. Beta hydroxy beta methylbutyrate supplementation impairs peripheral insulin sensitivity in healthy sedentary Wistar rats. Acta Physiologica, [s.l.], v. 212, n. 1, p. 62-74, 12 jul. 2014. Wiley.
    10. ELEY, Helen L.; RUSSELL, Steven T.; TISDALE, Michael J.. Mechanism of attenuation of muscle protein degradation induced by tumor necrosis factor-α and angiotensin II by β-hydroxy-β-methylbutyrate. American Journal Of Physiology-endocrinology And Metabolism, [s.l.], v. 295, n. 6, p. 1417-1426, dez. 2008. American Physiological Society.
    11. SMITH, Helen J.; WYKE, Stacey M.; TISDALE, Michael J.. Mechanism of the Attenuation of Proteolysis-Inducing Factor Stimulated Protein Degradation in Muscle by β-Hydroxy-β-Methylbutyrate. Cancer Research, [s.l.], v. 64, n. 23, p. 8731-8735, 1 dez. 2004. American Association for Cancer Research (AACR).
    12. SMITH, Helen J; MUKERJI, Pradip; TISDALE, Michael J. Attenuation of proteasome-induced proteolysis in skeletal muscle by {beta}-hydroxy-{beta}-methylbutyrate in cancer-induced muscle loss. Cancer Research, [s.l.], v. 1, n. 65, p. 277-283, 1 jan. 2005.
    13. PRADO, Carla M.; PURCELL, Sarah A.; LAVIANO, Alessandro. Nutrition interventions to treat low muscle mass in cancer. Journal Of Cachexia, Sarcopenia And Muscle, [s.l.], v. 11, n. 2, p. 366-380, abr. 2020.
    14. BERK, Lawrence; JAMES, Jennifer; SCHWARTZ, Anna; HUG, Eugen; MAHADEVAN, Anand; SAMUELS, Michael; KACHNIC, Lisa. A randomized, double-blind, placebo-controlled trial of a β-hydroxyl β-methyl butyrate, glutamine, and arginine mixture for the treatment of cancer cachexia (RTOG 0122). Supportive Care In Cancer, [s.l.], v. 16, n. 10, p. 1179-1188, 22 fev. 2008. Springer Science and Business Media LLC.
    15. MAY, Patricia Eubanks; BARBER, Annabel; D’OLIMPIO, James T; HOURIHANE, Ann; ABUMRAD, Naji N. Reversal of cancer-related wasting using oral supplementation with a combination of β-hydroxy-β-methylbutyrate, arginine, and glutamine. The American Journal Of Surgery, [s.l.], v. 183, n. 4, p. 471-479, abr. 2002. Elsevier BV.
    16. WADA, Noriko. Perioperative nutritional support with β-hydroxy-β- methylbutyrate, arginine, and glutamine in surgery for abdominal malignancies. Wounds: A Compendium Of Clinical Research And Practice, [s.l.], v. 9, n. 30, p. 251-256, ago. 2018.
Faça seu Login

O Site da SBNO mudou. Gere uma nova senha.

Caso seja seu primeiro login no novo site, por favor gere uma nova senha usando seu e-mail de cadastro para poder entrar.

GERAR NOVA SENHA